O Segredo do Hoje | Kabbalah Centre Portugal

O Segredo do Hoje

Na porção Beshalach, Moisés usa o poder dos 72 Nomes de Deus para criar o grande milagre da Abertura do Mar.

No entanto, antes de ser capaz de o fazer, Moisés diz aos Israelitas algo que, no sentido literal, parece supérfluo ou excessivamente dramático mas, na realidade, contém os segredos que precisamos para atrair a Luz dos milagres para as nossas próprias vidas… e sem estes segredos não somos capazes de conectar com este poderoso Shabbat.

 
Moisés diz: hityatzevu ur’u et yeshuat Hashem asher ya’aseh lachem hayom, “Aguentem e verão os tremendos milagres que o Criador vai fazer para vós, hoje.” Há muitos segredos neste verso, mas aquele em que me quero focar está na última palavra: hayom, “hoje”. Qual é o segredo dessa palavra, hayom?
 
Para explicar isto, os kabalistas trazem um ensinamento de Rav Moshe Lev de Sasov, que fala sobre um verso completamente diferente.É a história de Jacob. Antes de deixar este mundo, Jacob decidiu banhar com bênçãos as 12 tribos, os 12 canais de Luz.  Mas antes também diz algo que precisamos compreender: vayevarchem bayom hahu, “Ele abençoou-os naquele dia.” De novo, a palavra “dia”. No entanto, não sabemos que dia da semana era e historicamente não é significativo que dia da semana ou que anor eram.  Então, por que razão o verso nos diz que ele os abençoou bayom hahu, naquele dia?
 
Rav Moshe Lev de Sasov explica que Jacob os abençoou para terem a certeza no dia de hoje, e não permitir que as suas dúvidas ou medos os levem para o dia seguinte. Então, Jacob, antes de abrir os Portões das Bênçãos para este mundo, ensina uma lição muito importante: apenas quando atingimos o nível da consciência do hoje – o que significa que uma pessoa vive neste dia e não permite que entre uma dúvida ou preocupação acerca do amanhã ou um arrependimento acerca do que aconteceu ontem – podem ser-nos dadas as bênçãos. A bênção que Jacob deu aos seus filhos foi hayom. “Dou-vos a bênção, o poder e a capacidade de viver neste dia.”
 
Os kabalistas ensinam que Moisés teria sido incapaz de até mesmo usar o poder dos 72 Nomes para criar o milagre do Abertura do Mar, se não tivesse elevado os Israelitas a alcançarem à consciência do hoje; uma consciência onde não temos dúvida ou preocupação do vai acontecer amanhã, ou arrependimento do que aconteceu ontem. Viver no segredo do hoje é um pré-requisito para a conexão com a Luz do Criador e para despertar milagres nas nossas vidas. Essa é a regra. Mas agora, vamos entender a lógica espiritual disso.
 
Em todos os Shabbat, cantamos a canção baseada no verso baruch Hashem yom yom, “A Luz o Criador está injectada no dia.” Se uma pessoa desperta hoje uma preocupação, isso vai desconectá-la da Luz do Criador; mas se uma pessoa desperta preocupações ou dúvidas acerca do dia seguinte, mês ou até mesmo ano, ela pega essa escuridão do amanhã ou do próximo mês, e trá-la para o hoje. Como tal, impede que a Luz do Criador flua porque trouxe a escuridão para este dia.
 
Vou dizer de novo porque é muito importante: a dúvida do amanhã, da próxima semana, do próximo mês ou do próximo ano bloqueia a Luz do Criador de vir para este dia. Se uma pessoa não viver no hoje, ela rouba o hoje das suas potenciais bênçãos.
 
Moisés queria criar este tremendo milagre, ele tinha as ferramentas, tinha os 72 Nomes e era capaz de o fazer. No entanto, se os Israelitas não tivessem sido elevados ao nível de hayom, hoje, se eles tivessem começado a preocupar-se com o amanhã ou o próximo mês, teriam trazido essa escuridão para esse dia, o que teria incapacitado Moisés de criar o milagre da Abertura do Mar. O entendimento aqui é que mesmo que tenhamos as ferramentas mais poderosas e a conexão potencial, se não formos capazes de viver no reino de hayom, então roubamos o hoje das suas bênçãos.
 
 
E foi por isso que Jacob, antes de conceder as suas bênçãos, deu primeiro a consciência de hayom hazeh, hayom hahu, desse dia. De facto, quando começamos a compreender o segredos de hayom, começamos a ver essa letra a aparecer com frequência ao longo da porção de Beshalach, tal como o milagre do maná. Os Israelitas estão no deserto, não têm fonte de alimento, no entanto, acontece um milagre diário; todos os dias cai do céu justamente a comida suficiente para esse dia. E os Kabalistas ensinam que o maná não representa necessariamente comida física, mas sim o nível de consciência onde o nosso único foco é o hoje, onde não temos mesmo o início de um pensamento, preocupação ou dúvida acerca do amanhã, porque só uma pessoa desse nível, dessa consciência, pode estar completamente conectado com a Luz do Criador. Por isso, quando é dito que a Torah só foi dada àqueles que comem o maná, está a referir-se a uma pessoa que chegou à consciência de viver o segredos de hayom.
 
Todas as manhãs, toda a Luz, bênçãos e ajuda de que precisamos para esse dia estão prontas para fluir. No entanto, cinco minutos ou uma hora depois de acordarmos, começamos a preocupar-nos com o amanhã e bloqueamos a Luz que nos está destinada. Mas o milagre da Abertura do Mar e todos os milagres e bênçãos de que precisamos, não podem acontecer ou ser revelados na sua totalidade até que  trabalhemos nesse sentido, imploremos e desejemos chegar ao nível de viver o segredo de hayom. E no Shabbat de Beshalach, temos a dádiva de pedir o segredos do hoje, de compreender que quando chegarmos a isso, seremos capazes de receber o fluxo completo de bênçãos e de Luz disponíveis para nós.

por Michael Berg