Sonhos | Kabbalah Centre Portugal

Sonhos

 

A VIDA É APENAS UM SONHO

A Kabbalah considera o nosso mundo físico uma ilusão, uma residência temporária, e não a verdadeira realidade. Sim, a vida é apenas um sonho.

O nosso mundo do pequeno-almoços e dos engarrafamentos de trânsito ao fim da tarde é apenas uma das várias dimensões e mundos de sonho que nos separam da realidade definitiva. Estas outras dimensões estão acessíveis de diversas formas, uma das quais é através do estado de sonho.

 

O PROPÓSITO DO SONO

Quando o sol se põe e as estrelas se espalham no firmamento, parte da nossa alma abandona o nosso corpo. Mesmo que permaneçamos acordados, ainda assim parte da alma abandona-nos, motivo pelo qual começamos a sentir-nos mais cansados e esgotados à medida que a noite avança.

Durante o sono verdadeiro, o Zohar explica que 59 de 60 partes da nossa alma abandonam o corpo, deixando apenas 1/60 para nos sustentar fisicamente.

Quando o corpo está em repouso, as correntes da existência física são repentinamente quebradas. Nesse momento, a alma fica livre para ascender a um lugar mais elevado na atmosfera espiritual, onde recebe nutrição, poder e uma troca de óleo ocasional. Porquê a necessidade de uma recarga?

No curso de um dia típico e caótico, as limitações de tempo, espaço e movimento vão pesando sobre o corpo e a alma. Pense no conceito de tempo, por exemplo: o tempo mantém-nos constantemente em extrema pressão. Ou estamos a brincar à apanhada, a tentar desesperadamente cumprir prazos à medida que o relógio avança ou ficamos extremamente impacientes quando o tempo se arrasta.

 

PORQUÊ O ESTADO DE SONHO?

Durante a nossa “sintonia metafísica”, a alma permanece numa realidade para além do tempo e espaço. Passado, presente e futuro fundem-se num só. O panorama do tempo de uma vida humana está totalmente em aberto, desde o nascimento até à morte.

Assim, além de obter uma recarga, a alma muitas vezes consegue antever eventos que estão por acontecer, tanto positivos como negativos.

Estes vislumbres são então filtrados para o corpo, onde assumem a forma de sonhos.

A maioria dos nossos sonhos é uma combinação especial. Noutras palavras, um dos aspetos de um sonho consiste nos acontecimentos, experiências e pensamentos que ocupam nesse momento as nossas mentes conscientes. Intercaladas nesta combinação estão as visões da alma que vivem no subconsciente.

De acordo com a Kabbalah, os sonhos oferecem-nos a oportunidade de compreender os traços negativos da nossa personalidade. Podem ajudar-nos a aprender o que necessitamos mudar para crescer espiritualmente. É claro que temos que saber como ler e interpretar os sonhos, de modo a distinguir esta sabedoria.

Além disso, se uma pessoa não tem qualquer intenção ou desejo de mudar ou de passar pelo crescimento e transformação espiritual (provavelmente 95% do mundo permanece preso nesta categoria), então as mensagens da alma são muito mais difíceis de detetar. Na verdade, provavelmente nem nos lembraremos da maioria dos nossos sonhos.

 

VERDADE E CONSEQUÊNCIAS

Todas as nossas ações negativas para com os outros têm repercussões, conforme ditado pela lei universal de causa e efeito.

Podemos negar essa verdade espiritual.

Ignorá-la.

Duvidar dela.

Ou nem nos apercebermos de que ela existe.

No entanto, para cada olhar invejoso, palavra rude e resposta mal-humorada que “atiramos” para o mundo, existe uma consequência negativa equivalente a vir na nossa direção. Considere isto como o derradeiro efeito bumerangue.

Todas as repercussões que surgem no horizonte são o que a nossa alma vislumbra durante o sono. Quando a alma prevê consequências graves, isso geralmente produz pesadelos.

Se tivermos a mente aberta, podemos extrapolar as mensagens dos nossos pesadelos e começar a compreender o que temos que mudar em nós. A mudança espiritual é a forma proativa de evitar efeitos negativos.

Diz-se que o Rei David era um homem de caráter espiritual extraordinário. Sempre que tinha um pesadelo aterrador, era capaz de extrair a respetiva mensagem e fazer as correções espirituais necessárias na sua vida.

Por outro lado, o Zohar diz-nos que, normalmente, um homem injusto terá sonhos felizes (não verdadeiros), para o afastar ainda mais do caminho da verdade. Este princípio espiritual é explicado no seguinte texto do Zohar:

“Quem se propuser a purificar-se a si mesmo é purificado pelos céus e quem se propuser a corromper-se será, da mesma forma, corrompido pelos céus.” Zohar II, 200a

Quanto mais espiritual for uma pessoa, tanto mais verdadeiras serão as suas experiências de sonho.

Quando uma pessoa tem tendência para comportamentos egocêntricos, se for escrava do próprio ego, isso fará com que a balança de poder se incline da alma para o corpo. Assim, torna-se ainda mais difícil para a alma elevar-se durante o sono.

 

O convidamos a ler abaixo o artigo sobre sonhos na matéria da revista Zen:

 

Zen | dez 2011

 

zen 1

zen 2

zen 3

* agradecimentos cordiais a Revista Zen Energy e sua Equipa.