Construir uma base para as nossas bênçãos | Kabbalah Centre Portugal

Construir uma base para as nossas bênçãos

A porção Toldot diz que Isaac, filho de Abraão, cavou poços em busca de água; primeiro, nos mesmos lugares onde o seu pai os havia cavado e que os habitantes da terra tinham ocultado, depois em dois novos lugares. O povo da terra, os pastores de Gerar, lutaram com Isaac por causa desses dois poços, reivindicando a posse da água. Finalmente, Isaac cavou um terceiro poço, sobre o qual não houve discussão. E os Kabalistas explicam que o segredo dentro da história da escavação dos poços é realmente o segredo da capacidade de um indivíduo se desenvolver espiritualmente.

 

No âmago do ensino da Kabalah e dos ensinamentos do Ari e de Rav Ashlag, há um conceito muito simples: a Luz está sempre presente na Sua forma completa e inteira. Os únicos limites são se há ou não um recipiente para aquela Luz e, se existe,qual o tamanho desse recipiente - e quanto maior for o recipiente, maior é a Luz recebida pela pessoa. Como criamos um recipiente? Sentindo a falta. Uma vez que entendamos isso, passamos a entender a importância de encontrar constantemente a falta dentro de nós mesmos. De facto, mesmo uma pessoa que espiritualmente faz tudo certo, mas não sente uma falta quase constante, está tremendamente limitada na quantidade de Luz que pode atrair ... porque se não há recipiente, não há lugar para a Luz ser recebida.

 

Portanto, uma das partes mais importantes do nosso trabalho espiritual deve ser procurar, ou cavar, em busca da falta; é o que Isaac estava a fazer. Não é que ele saísse todos os dias e cavasse um poço físico. Em vez disso, de manhã ele sentava-se e olhava dentro de si para ver o que, espiritualmente, ele não tinha e para o que desesperadamente precisava da Luz do Criador.

 

A Kabalah ensina que existem cinco níveis de alma - Nefesh, Ruach, Neshama, Chaya e Yechida. Uma pessoa que sente um pouco de falta construirá uma estrutura espiritual que lhe permite receber bênçãos no nível mais baixo, Nefesh. Uma pessoa que cava mais fundo e dedica tempo a perceber as áreas em que tem carência e onde precisa desesperadamente de receber a assistência da Luz do Criador, receberá bênçãos do próximo nível, e assim por diante. Quanto mais funda for a escavação, quanto mais profunda for a falta, maior é a estrutura, mais Luz e bênçãos a pessoa receberá.

 

Este não foi apenas um dia de trabalho para Isaac; foi constante. Ele começava o seu dia dizendo: "Tenho que descobrir qual é a falta dentro de mim". Claro que é mais fácil encontrar o que nos falta fisicamente, o que também é importante, porque se não cavarmos o poço físico, não teremos a Luz para o preencher. Mas se uma pessoa também não cavar  o poço espiritual, se não olhar para dentro e disser: "Estas são as áreas dentro de mim onde eu preciso desesperadamente da Luz do Criador", então, novamente, ele pode fazer todo o trabalho espiritual, mas não há base ou recipiente para o qual as bênçãos possam vir.

 

Como tal, quando a porção diz que Isaac começou a cavar, significa que a primeira coisa que ele fazia todos os dias era perguntar onde, na sua vida e no trabalho espiritual, ele precisava desesperadamente da Luz. Pode cada um de nós honestamente dizer que há algo em que sentimos que precisamos desesperadamente da assistência da Luz do Criador? Se a resposta for não, temos que perceber que toda a Luz que poderíamos receber a cada dia será limitada. Acordamos de manhã, sentimo-nos relativamente bem, seguimos em frente e fazemos o nosso trabalho espiritual, pensando que, ao fazê-lo, receberemos bênçãos e Luz. Mas sem a profundidade da fundação não é possível. Claro, se sentimos um pouco de falta, podemos atrair um pouco de luz naquele dia, mas é limitada. Portanto, o que a porção que Toldot está a dizer-nos é que o segredo de cavar os poços começa com isto; isso tem que ser literalmente a base do nosso trabalho espiritual, todos os dias. Temos que cavar em busca da falta.

 

A porção diz que Isaac se envolveu em discussões com os pastores de Gerar. A palavra Gerar, em hebraico, significa “ser arrastado”. O que significa isto? Nós comparámo-nos, ou somos "arrastados", para toda a gente. Os pastores de Gerar recebiam o seu sustento com base no lugar em que todos os outros estavam: “Eu sou melhor do que muitas pessoas que conheço, então eu estou bem.”  Por isso, ao dizer que os pastores de Gerar vieram para lutar com Isaac quando ele estava a cavar os seus poços, está-se a falar sobre aquela força que lhe diz: “Comparado com os outros, você está bem. Não se preocupe tanto, apenas faça o seu trabalho espiritual ”, tentando convencê-lo de que ele não precisa de cavar mais fundo. Essa é a luta entre Isaac e os pastores de Gerar, e entre a nossa verdadeira consciência, que sabe quão desesperadamente precisamos cavar para encontrar o que nos falta, para podermos criar um recipiente para o qual virá a Luz do Criador, e a consciência de Gerar, ao ser arrastada para onde toda a gente está, um lugar com pouco sentimento de falta. Esse é o segredo por trás da discussão entre Isaac e o povo de Gerar.

 

E isto, como dissemos, precisa de ser entendido como uma base para o nosso trabalho espiritual. O grau de escavação - e escavação significa perceber, chegar a entender quão profunda e fortemente precisamos da Luz do Criador, quão desesperadamente precisamos de mudar nesta área ou nessa área - tem que ser o fundamento, porque é sobre isso que é baseado todo o nosso dia, a nossa semana e a nossa vida. Precisamos de construir os cinco níveis, a estrutura espiritual. Então, a pergunta a ser feita cada manhã é: estou a preparar o meu recipiente para receber hoje, estou a cavar em busca da falta? Porque quando acordamos de manhã e percebemos quão desesperadamente precisamos da assistência da Luz do Criador, então construímos um recipiente para esse dia, de onde podemos extrair bênçãos e Luz ilimitadas.