Criar caminhos para a luz | Kabbalah Centre Portugal

Criar caminhos para a luz

Rav Ashlag ensina que o verdadeiro caminho espiritual, o que ele chama de caminho da Coluna Central, é exato e estreito. E tanto assim é, diz, que se torna possível uma pessoa que está a seguir no caminho espiritual ser realmente pior do que alguém que não está a seguir de modo algum um caminho espiritual. Porquê? Porque dar um passo para fora do verdadeiro caminho pode causar mais danos do que não dar nenhum.

 

E qual é a consciência e a compreensão deste caminho, pergunta ele? O segredo, diz-nos ele, e o Zohar também diz, é que a Luz do Criador, a Torah (ou seja, a sabedoria e as ferramentas) e a pessoa que está a fazer o trabalho, são todos um. No entanto, a maioria de nós não o vê assim. A maioria de nós vê isso como três coisas separadas. Há a Luz do Criador, a qual nós queremos alcançar, existe o nosso eu, que está a tentar fazer o trabalho para alcançar a Luz do Criador, e existem as ferramentas e a sabedoria que usamos para alcançar a Luz do Criador. No entanto, aprendemos que essas três coisas não estão realmente separadas.

 

Para a alma entrar neste mundo físico, o propósito é chegar ao que Rav Ashlag chama de devekut , completa reunificação com a Luz do Criador. No entanto, reunificar a alma com a Luz do Criador requer uma tremenda quantidade de trabalho, de tal forma que temos que ter a certeza de que cada passo que estamos a dar está no caminho nos vai trazer de volta a este devekut . Mas quais são estes passos para a reunificação com a Luz do Criador?

 

Há 620 passos que a nossa alma tem que dar desde o momento em que chega a este mundo até ao ponto de reunificação com a Luz. Esses 620 passos são constituídos pelo que é chamado na Torah de 613 mitzvot e pelas sete ferramentas não escritas na Torah e que os Kabalistas mais tarde despertaram. O Zohar designa a Torah como a sabedoria e as ferramentas, como os caminhos para a Luz do Criador. Eles são como direções de onde a nossa alma parte até ao ponto de chegada da reunificação com a Luz. Imagine um mapa do Google onde existem 620 estradas; seguimos por uma estrada, viramos à esquerda, e depois temos uma nova estrada, viramos à direita, chegamos a uma nova estrada, e assim por diante. Para a nossa alma existem 620 estradas, e a única forma de poder chegar desde o seu nascimento neste mundo físico até à reunificação com a Luz do Criador é através destas estradas.

 

Por exemplo, uma das sete ferramentas que fazem parte dessas 620 estradas é o Hallel , uma oração que dizemos nos feriados e em Rosh Chodesh, a lua nova. Dizêmo-la milhares e milhares de vezes na nossa vida. Porquê? Porque de cada vez que a dizemos, é como se estivéssemos a criar uma estrada. Então, da primeira vez que a dizemos, fazemos um pequeno buraco. À segunda vez, o buraco é um pouco maior, pela 1500ª vez é ainda maior, e assim por diante. Essa é a razão para esta repetição e para o uso de todas as ferramentas; todas são como brocas que usamos para criar os caminhos. Em última análise, criamos 620 caminhos, cada um tão amplo quanto necessário para que a nossa alma continue e, por fim, se reunifique com a Luz do Criador. Portanto,é claramente muito importante que criemos estes caminhos.


É igualmente importante entender como é necessário o esforço para continuar o caminho espiritual mesmo quando o corpo luta contra ele. Sem o corpo, a alma não estaria a fazer estes caminhos. Para criar as estradas, é necessário que a consciência do corpo lute contra as conexões e o uso das ferramentas. Só essa luta pode criar os caminhos. E depois, o corpo e a alma são capazes de atingir devekut e reunificar com a Luz do Criador.

 

Então, novamente, os três diferentes aspetos do trabalho espiritual que, na realidade, são verdadeiramente apenas um, são: a pessoa que está a tentar lutar contra a consciência do corpo e reconectar-se com a Luz do Criador, a Luz do Criador com a qual a alma deseja  reunir-se, e os 620 caminhos que precisam de ser criados entre o corpo e a alma para alcançar essa reunificação. Rav Ashlag diz-nos que quando uma pessoa evolui na sua conexão espiritual e está no seu verdadeiro caminho, ela começa a ver essas três coisas como uma só. É um entendimento, esperamos, que realmente pode preencher o nosso trabalho espiritual com um propósito totalmente novo e empolgante.