Relembrar a nossa Verdade | Kabbalah Centre Portugal

Relembrar a nossa Verdade

No final de cada dia, os cabalistas recomendam que revejamos o nosso dia e façamos correções espirituais em relação a qualquer pessoa que nos tenha magoado ou qualquer pessoa que nós possamos ter magoado. Desta forma, prevenimos que adormeçamos com raiva ou num estado impuro. Estas energias podem impedir a nossa alma de se elevar durante o sono, altura em que temos a possibilidade de alcançar sabedorias espirituais importantes. À noite, durante a nossa reflexão, somos encorajados a relembrar o que é verdadeiramente importante na vida: lembrando-nos de que não se trata apenas do que conseguimos acumular ou a quem conseguimos derrotar, mas quanto demos e a quem amámos. Antes de fecharmos os olhos à noite, lembramo-nos do nosso propósito aqui neste mundo. Voltamos a focar-nos e, se tudo correr bem, realinhamo-nos com o nosso caminho espiritual. Perguntamo-nos a nós próprios nas meditações: "Se este tivesse sido o meu último dia na terra, estaria em paz comigo? Estaria feliz?" Esta semana preparamo-nos para o que é equiparado a um “anoitecer do ano”. Aproximamo-nos do mês final do calendário anual do ciclo zodiacal. Estamos a chegar ao que é designado de Shabbat Shekalim. Este Shabbat sempre precede o início do último mês do ano astrológico. É altura de olharmos para trás. Não só para o dia mas para o ano inteiro, avaliando onde gastámos a nossa energia, a quem amámos e onde mostramos dificuldades em amar o outro. Relembramos o nosso propósito espiritual e o verdadeiro desejo da nossa alma. Esta semana é-nos dada a oportunidade de reestabelecer o nosso caminho e de nos voltarmos a comprometer a ouvir a nossa voz interior. O cosmos presenteia-nos esta semana com uma tela em branco, preparando-nos para um novo começo, preparando-nos para "o novo dia" e o novo ciclo astrológico que se encontra à nossa frente.

 

A porção que nos guia esta semana é a de Vayakhel, que é virtualmente repetição das duas porções prévias, mas é-o apenas a um nível superficial. O que surge em Vayakhel é uma oportunidade de renovar e de relembrar o nosso processo espiritual. Shabbath Shekalim prepara-nos para entrar no mês final do ano, Peixes II, depois do qual iniciamos um ciclo astrológico novo em Carneiro. É uma altura de voltarmos a abraçar a vida, pois está iminente o recomeço do ano, mais uma vez. Chegamos ao final do ano e perguntamo-nos: "Ainda estamos no caminho espiritual? Estamos alinhados com a nossa Verdade?". A porção de Vayakhel vem para nos acordar para os nossos próprios sonhos, desejos e propósito de vida. Esta porção relata as contribuições que os israelitas fizeram para a construção do Tabernáculo e da sua construção no geral. No aspecto metafísico, trata-se da construção dos nossos próprios recipientes internos, espirituais e do nosso esforço e da nossa contribuição para esse processo. Lemos pela segunda vez acerca da construção do Tabernáculo, mas desta vez, sem a contribuição daqueles que construiriam o bezerro de ouro em substituição de Moisés. Primeiro, alguns israelitas tinham criado o bezerro de ouro quando achavam que Moisés os tinha abandonado. Em Vayakhel, nós reconstruímos o Tabernáculo para conter a energia do Criador e criamos o nosso próprio recipiente espiritual, mas sem a negatividade do bezerro de ouro. Somos abençoados com a oportunidade de continuar a seguir em frente com a nossa elevação espiritual, mas com uma consciência nova e melhorada. Esta semana podemos recriar e reestabelecer os nossos objectivos, distanciando-nos de energias negativas e de distracções. É-nos dado o grande dom de recomeçarmos, só que desta vez temos mais foco e pureza para o nosso processo do ano vindouro. Vayakhel é reconstruir e reestabelecer os nossos objectivos e sonhos, mas com uma consciência aperfeiçoada. Chegamos ao final do ano prontos para avançar e com uma melhor compreensão do chamamento do nosso coração. Repetindo a construção do Tabernáculo, somos capazes de lembrar e honrar as nossas verdades individuais.

 

Viemos a este mundo maravilhoso para revelar a centelha de Luz do Criador que existe em nós. É nosso trabalho sagrado construir a nossa própria estrutura dentro de nós, para albergar a Luz do Criador. Estamos na terra para criar uma vida que manifesta a nossa alma e para cada um de nós isto revela-se duma forma muito diferente. Cada uma das nossas almas manifesta-se com uma beleza única. Muitas vezes, porém,  o propósito da nossa alma pode estar esquecido e submerso pelos nossos medos. Esta semana, a grande dádiva de recomeçar e relembrar o chamamento da nossa alma é nossa. Podemos tornar-nos limpos de negatividade, ansiedade, dúvida, medos e aquilo que a construção do bezerro de ouro representava. Estamos sob o processo de nos unirmos como Criador e cumprir o chamamento da nossa alma para esta vida. Viemos ao mês do final do ano e, tal como no final do dia, libertamo-nos daquilo que nos impede de nos elevar e sentir a excitação de abraçar a oportunidade que se encontra à nossa frente. Como Carl Jung referiu uma vez: "Um homem velho que não se consegue despedir da vida aparenta ser tão fraco e doente como o jovem que é incapaz de abraçar a vida".

 

Esta semana, nas vossas meditações enfrentem a vida de forma renovada, limpos e sem medo. Dispostos a ouvir os sussurros dos vossos corações. Amanhã é um novo dia, é para libertar o passado. Encare o novo ano astrológico pronto para a renovação do caminho espiritual, sabendo que é o caminho da maior alegria e preenchimento. Lembre-se do que o faz feliz e daquilo que ama. As forças que nos impediam no passado já não existem. Comprometa-se a recomeçar o caminho da vida, mais uma vez, com confiança e certeza. No passado pode ter silenciado o seu coração, mas agora já não. Você está pronto a mostrar a dignidade humana que o mundo precisa. Está pronto para se lembrar das suas verdades, inabalável perante as influências de outros. Está pronto a começar, mais uma vez.