Remover as marcas das nossas ações negativas | Kabbalah Centre Portugal

Remover as marcas das nossas ações negativas

Na porção Shoftim é dito: "Uma pessoa precisa de designar para si mesmo alguém a quem responder em termos espirituais." Para explicar isto, temos que entender algo que é dito, em profecia, por Ezequiel: toda a ação negativa de um indivíduo fica gravada nos seus ossos. Porquê? Porque toda a ação negativa tem uma combinação de letras. Assim como há combinações de letras que são canais de Luz, também há combinações de letras que são canais de escuridão.

 

Assim, quando uma pessoa age com negatividade - tal como raiva, inveja ou desejo de receber apenas para si própria - ela desperta a combinação de letras específicas para essa ação negativa, a qual fica gravada nos seus ossos. À medida que o indivíduo continua a fazer a mesma ação, esse mesmo Nome fica gravado mais profundamente. E é essa inscrição, essa escrita daqueles Nomes negativos nos ossos da pessoa, que faz com que a negatividade se manifeste na sua vida. Na verdade, em Jeremias é dito que a negatividade que uma pessoa despertou, que se grava nos seus ossos, é o que então manifesta negatividade na sua vida.


É por isso que durante todo o processo de slichot e de Yom Kippur é importante que um indivíduo fale certas palavras. Existe um grupo que a pessoa deve fazer e que é designado por vidui, que se traduz como “confissões". Além disso, antes de uma pessoa estar prestes a deixar este mundo, é importante que ela faça o vidui ; é uma espécie de última oportunidade para remover dos seus ossos qualquer uma das gravações remanescentes dos Nomes negativos.


Quando a pessoa diz o vidui, ou diz a outra pessoa as coisas negativas específicas que  fez, a energia dessas palavras que vêm da sua boca é capaz de remover a camada de negatividade que ela gravou nos seus ossos. Por exemplo, digamos que ontem nos zangámos, e hoje vamos ao nosso professor ou amigo e dizemos: “Quero confessar-te que ontem alguém me fez alguma coisa e eu fiquei zangada e gritei com ela". Então, através dessas palavras, somos capazes de remover a camada de negatividade que foi registada nos nossos ossos a partir dessa ação negativa.


Portanto, sabendo isto, agora podemos entender a razão pela qual, na porção Shoftim, é dito que “uma pessoa precisa de designar para si alguém a quem responda em termos espirituais”; é a pessoa a quem ele repete todas as coisas negativas de que se possa  lembrar que fez. E agora sabemos que fazer isso é tremendamente importante.


No Talmude, em Sotah , diz-se que os Israelitas levaram com eles os caixões de Joseph, Yehuda e alguns outros. E diz-se que os ossos de Yehuda estavam desconfortáveis no caixão e estavam a fazer barulho. Porquê? Porque no tempo das 12 Tribos. Yehuda era o líder de uma delas quando Joseph foi vendido como escravo e, portanto, essa ação negativa ficou gravada nos seus seus ossos. O Nome negativo que foi despertado através dessa ação de vender Joseph ficou impressa nos ossos de Yehuda e, por qualquer razão, durante a sua vida, ele não o removeu completamente. Portanto, enquanto o seu caixão estava a ser carregado no deserto, ele fazia barulho porque os ossos ainda estavam a sofrer.


Moisés, ao falar ao Criador, diz: “Ouve a voz de Yehuda”. Yehuda sabia que tinha caído ao vender Joseph, mas dizer isso uma vez não era suficiente. No entanto, muitas vezes ao longo da sua vida, ele esteve ciente desta ação negativa, e apesar de ter feito o vidui e ter mencionado isso ao seu professor e aos amigos, não foi suficiente. Portanto, aprendemos com isto que não é necessariamente suficiente mencioná-lo uma ou duas vezes; e à medida que nos aproximamos de Rosh Hashanah e passamos pelo processo de vidui , precisamos de nos lembrar disso.


De facto, os Kabalistas ensinam que quando uma pessoa está verdadeiramente sintonizada com o processo de teshuvah, é importante estar sempre a lembrar a si mesma a ação negativa até que ela seja removida. Não é dizermos isso uma vez e depois acabou; se ainda tivermos a sensação da energia negativa em torno da ação que fizemos, é porque ela ainda existe, por isso mencionamo-la quantas vezes for preciso. Embora Yehuda estivesse ciente do facto de que esta ação negativa e o Nome que ela tinha despertado se tinham gravado nos seus ossos, e que tinha feito o processo de teshuvá, ainda não era suficiente. Portanto, no deserto, quando Moisés viu que os ossos de Yehuda ainda não estavam calmos e sofriam, ele despertou de novo a força do vidui que Yehuda fizera  quando estava vivo; Moisés tinha o poder de ser capaz de fazer isso novamente por Yehuda e, como tal, os ossos de Yehuda sossegaram. Quer através do despertar do vidui, quer da menção de Yehuda à ação negativa que tinha feito, Moisés foi capaz de finalmente, e para sempre, remover dos ossos de Yehuda aquela gravação negativa.


A partir deste ensinamento, queremos despertar a verdadeira apreciação pela natureza do que fizemos e lembrar-nos que, absolutamente todas as ações negativas que fizemos durante o ano que passou e ao longo da nossa vida, se gravaram nos nossos ossos, e essa é a energia pela qual a negatividade entra na nossa vida. Nós temos o dom de sermos capazes de a remover através do processo de vidui, através do processo de a recontar até que comecemos a sentir que a negatividade se eleva. E, tal como aprendemos com Yehuda, não foi suficiente ele fazê-lo uma vez, duas ou até vinte vezes na sua vida. Temos que continuar a repeti-lo até que ela perca a sua energia, até que tenhamos removido dos nossos ossos a gravação dessa ação negativa. Isto é verdade para toda a ação negativa, e certamente para todo o grupo de ações negativas que alguma vez fizemos.